Censos :: Censos 2021

Bem-vindo aos Censos 2021

O XVI Recenseamento da População e o VI Recenseamento da Habitação – Censos – terão lugar em 2021.

Ao longo de mais de 150 anos os Censos têm colocado à disposição da sociedade o maior retrato estatístico de Portugal. Os organismos públicos, as entidades privadas e os cidadãos em geral, reconhecem a utilidade da informação censitária, enquanto fator essencial para a planificação de serviços ou para a definição de políticas em áreas como a educação e a saúde.

O nosso compromisso é que os próximos censos sejam mais eficientes, mais inovadores e que continuem a responder às necessidades da sociedade.

A preparação dos Censos 2021 está em curso. Contamos consigo!


Consulta Pública

A decorrer de 24 de abril a 10 de setembro de 2018.

Conteúdo a observar nos Censos 2021 (pdf)

Recolha de contributos: Formulário (docx)


 

Estudo de viabilidade

O estudo de viabilidade para a adoção de um novo modelo censitário para os Censos 2021, decorre do cumprimento do Decreto-Lei 226/2009 de 14 de setembro, que enquadrou a realização dos Censos 2011 e determinou que estes seriam os últimos a realizar em Portugal, através do modelo tradicional.

Os objetivos do estudo de viabilidade, estão centrados no contributo dos seus resultados para a Sociedade: reduzir os custos associados às operações censitárias; diminuir a carga estatística sobre os cidadãos e permitir uma maior frequência na divulgação de informação de cariz censitário, atualmente, de 10 em 10 anos.

O estudo de viabilidade é sustentado num Programa de Trabalho para o período 2013-2017, que está estruturado em cinco Linhas de Orientação Estratégica, articuladas com o Programa Estatístico Europeu e, no plano nacional, com as Linhas Gerais da Atividade Estatística Oficial para o mesmo período. A operacionalização do programa envolve 14 medidas que podem ser monitorizadas.

Programa de trabalho 2013-2017 (flash) 

Relatório Final (pdf)

Programa de trabalho 2013-2017 (pdf)


 


 

Uso de informação administrativa

Portugal tem em curso, pela primeira vez, um estudo de viabilidade para a definição de um novo modelo censitário que avaliará o contributo da informação administrativa.

A utilização de informação administrativa assenta na necessidade de melhorar a eficácia da produção estatística, através da criação de sistemas integrados, tendo em conta, por um lado, colmatar as necessidades de informação e, por outro, o imperativo de diminuir a carga estatística sobre os respondentes, os custos inerentes ao processo de produção e permitir a disponibilização de dados com maior frequência.


Usar informação administrativa para os Censos: O que significa? O que muda? Porquê?

O documento anexo descreve o estudo de viabilidade que o INE tem vindo a realizar no quadro da utilização de informação administrativa para os Censos 2021

O resultado dos trabalhos é apresentado sobre a forma de perguntas que permitem responder de forma simples a muitas das interrogações que a sociedade coloca quanto ao uso da informação administrativa para os Censos.

Usar informação administrativa para os Censos (pdf)

Jornadas da Produção Estatística

Esta apresentação aborda as diferentes etapas e os resultados alcançados no âmbito do Estudo de Viabilidade para a adoção de um novo modelo censitário com recurso, pela primeira vez, a informação administrativa.

É dado destaque à vertente internacional, colocando em evidência as práticas seguidas em vários países. O estudo em curso, confirma o alinhamento de Portugal com os programas em desenvolvimento a nível internacional para a realização dos Censos 2021.

Jornadas da Produção Estatística (pdf)

Relatório QUAR - Metodologia de atualização da Base de População Residente − dezembro de 2016

Este relatório apresenta os principais resultados da edição de 2015 da Base de População Residente ao nível da estimativa da população residente e das suas características, bem como os avanços face ao exercício de 2011.

Descreve-se a metodologia de construção da BPR a partir da interligação de registos administrativos e da aplicação de regras de indícios de residência. São realçados os aspetos que envolvem a ligação entre as diferentes bases de dados e as dificuldades que esse exercício representa.

Os resultados obtidos para a BPR 2015 evidenciam uma melhoria muito significativa na contagem da população: os valores situam-se próximos das Estimativas da População para o mesmo ano. Esta melhoria pode explicar-se pela introdução de novas fontes de dados administrativos.

Metodologia de atualização da Base de População Residente (pdf)

Relatório QUAR - Linhas gerais do novo modelo para os Censos 2021 − dezembro de 2015

Este relatório apresenta a estratégia para os Censos 2021, a qual será objeto de inquérito Teste em 2016. É projetada uma visão de médio e longo prazo para o desenho do modelo censitário alinhado com as tendências internacionais e, ao mesmo tempo, definida uma estratégia de curto prazo que responda de forma mais eficiente à realização dos Censos 2021.

O documento apresenta os resultados alcançados no âmbito da integração de informação administrativa para o novo modelo censitário. É descrita a metodologia para a construção de uma Base de População Residente a partir de informação administrativa e são apresentados os primeiros resultados deste exercício.

O relatório coloca em evidencia o alinhamento de Portugal e dos resultados obtidos, face ao contexto internacional, designadamente de países como o Reino Unido, Itália, Sérvia, Canadá, Austrália, entre outros.

Linhas gerais do novo modelo para os Censos 2021 (pdf)

Relatório QUAR - Estudo para a interligação das bases de Dados provenientes de ficheiros administrativos − março de 2015

Este relatório descreve a aplicação de processos de matching de microdados, indispensáveis para a ligação dos registos administrativos, provenientes de diferentes bases de dados. O documento apresenta a metodologia para a aplicação de distintas chaves de matching que combinam de forma diferenciada informação relativa a várias características dos indivíduos. São apresentados os resultados obtidos, bem como é feita a avaliação da qualidade do processo de interligação.

O documento identifica limitações de natureza metodológica que exigem aprofundamento e conhecimento técnico-científico especializado. São, igualmente, colocadas em evidência as limitações de âmbito legal que impõem restrições ao acesso à informação e que têm impacto negativo na utilização dos ficheiros para fins censitários.

Interligação das bases de dados provenientes de ficheiros administrativos (pdf)

Relatório QUAR - Utilização de informação administrativa para os Censos 2021 − dezembro de 2014

Este relatório apresenta os primeiros resultados do Programa de Trabalhos sobre a utilização de informação administrativa para os Censos 2021.

São identificadas as condições prévias de âmbito legal e de cooperação institucional, indispensáveis ao desenvolvimento do estudo. Neste contexto assume particular destaque a Deliberação da CNPD nº 929/2014, de 11 de junho.

É feita uma avaliação dos principais ficheiros administrativos, num total de 8, de acordo com várias dimensões. Foi analisada a meta-informação, a qualidade das fontes e a identificação das variáveis disponibilizadas. São apresentados os resultados tendo em conta a identificação das áreas não cobertas por informação administrativa, bem como a informação que é possível utilizar e respetivas limitações.

Estudo de viabilidade da utilização de dados de fontes administrativas (pdf)

Avaliação dos modelos censitários utilizados noutros países e a sua adequabilidade a Portugal

Este relatório apresenta a estratégia para os Censos 2021, a qual será objeto de inquérito Teste em 2016. É projetada uma visão de médio e longo prazo para o desenho do modelo censitário alinhado com as tendências internacionais e, ao mesmo tempo, definida uma estratégia de curto prazo que responda de forma mais eficiente à realização dos Censos 2021.

O documento é composto por duas partes:

A parte A − Modelos censitários: Enquadramento conceptual e aplicação a Portugal − descreve do ponto de vista conceptual os vários modelos censitários, bem como a sua adequação à situação em Portugal.

A parte B − Práticas internacionais − faz uma síntese da metodologia utilizada em vários países que empreenderam processos de mudança para modelos censitários mais eficientes.

Avaliação dos modelos censitários utilizados noutros países e a sua adequabilidade a Portugal (pdf)

 


 

Legislação de suporte

Os Censos são enquadrados por legislação nacional e internacional.

Consulte aqui toda a informação, que irá sendo atualizada:

Recomendações ONU 2021 (pdf)

Deliberação da CNPD (pdf)

Regulamento (CE) 763/2008 (pdf)